06/11/2017 | Fonte: Deydjan Dias | Portal ODM

A educação no Brasil pode atrasar o alcance do ODS 4

Foto: Educare

Na terça feira dia 24, foi divulgado pela UNESCO o Relatório de Monitoramento Global da Educação (Global Education Monitoring – GEM). O documento tem intuito de ajudar na luta a favor de uma educação mais inclusiva para todos, por meio do monitoramento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável sobre educação (ODS4).

No Relatório, a necessidade de ser mais ágil no avanço dos ODS é explícita. É revelado que apenas 70% das crianças concluirão a educação primária até 2030. “Nós precisamos de vontade política, inovação, políticas e recursos para romper com essa tendência” afirma Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO.

“Nós precisamos de vontade política, inovação, políticas e recursos para romper com essa tendência”

O GEM apresenta a importância de uma melhor educação para as mulheres e meninas. Diante do aumento comprovado no número de habitantes no planeta entre 1950 a 2015, a melhora na educação no gênero feminino, segundo o relatório, seria a maneira mais eficaz e fundamental de reduzir esse problema.

Acesse os indicadores de educação do seu estado e do Brasil no Portal Longevidade e Produtividade

No Brasil, a qualidade da educação permanece em baixa. Segundo o ranking World’s Most Literate Nations (WMLN), em 2016, o país ganhou o primeiro lugar em maior destinação do PIB para educação e maior quantidade de alunos na escola, entretanto, se tratando de qualidade da educação ficou na 55° posição, entre 61 países. A Coordenadora do Centro de Inovação em Políticas Educacionais, Cláudia Costin, em entrevista à Carta Capital, diz que, quando se trata de educação, o Brasil está estagnado em um patamar ruim.

O Relatório GEM, mostra também, que a educação é a chave para alcançar outros vários ODS. O Conselheiro especial do secretário-geral das Nações Unidas para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Jeffrey D. Sachs afirma: “uma educação melhor leva a maior prosperidade, à melhoria da agricultura, à melhores resultados de saúde, à menos violência, à mais igualdade entre os sexos, à capitais sociais mais elevados e à um ambiente natural melhorado”.

 

Referências: Carta Capital | Ranking Nações mais literatas do mundo| Relatório Monitoramento Global da Educação

Voltar